domingo, 16 de julho de 2017

Quando se Faz Toda Diferença


Eu te adoro de uma adoração infinda,
Adoro mais ainda na falta, precisão,
Quando em teu lugar só há intenção.
E qualquer atenção tua me fisga
Feito peixe que não comeu ainda
Nem ao menos um pedaço de pão
Que seria jogado pros pombos.

Nunca definitiva, pronta, acabada.
Sempre recomeçando, feito olho d’água,
Cano escorrendo, a rua alagando,
Onde antes só deveria estar passando carros.

Fabio Murilo, 16.07.2017

5 comentários:

  1. Fábio Murilo sua poesia está muito triste,apesar de sempre nos encantar com suas palavras.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. Triste, porém, lindo!!

    Beijos e uma boa semana

    ResponderExcluir
  3. Poema triste mas muito belo. A imagem é maravilhosa de uma ternura feminina ímpar
    .
    Deixo cumprimentos poéticos

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, Murilo.
    As adorações costumam ser infindáveis, a não ser que o destino mude o curso da história.
    Contudo, devemos encontrar nosso eixo, até mesmo para a pessoa de nós sentir falta.
    Tenha uma ótima semana.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  5. Muitas vezes temos adoração por alguém que chega até a doer. Um belo poema, que passa emoção.
    Tenha uma ótima semana!!

    ResponderExcluir